Por Ben-Hur Dalla Porta, vice-presidente*

Histórico da Liga Homeopatica

Corria a década de 1940. A Homeopatia Brasileira ressentia-se de repetidas derrotas no plano acadêmico. Conseqüentemente, pouquíssimos médicos se declaravam homeopatas. O Dr. David Castro, pernambucano, nascido no Recife em 1915, era um dos poucos. Formado em Medicina na Bahia e em Homeopatia no Rio de Janeiro, veio instalar-se no Rio Grande do Sul por recomendação do professor Dr. José Emygdio Galhardo.

Resolvendo organizar uma entidade que congregasse os adeptos da Homeopatia, por iniciativa do Dr. David Castro, foi realizada uma sessão no “Centro Paulista” no dia 21 de março de 1941. Unanimamente foi aceita a idéia da criação da Liga Homeopática do Rio Grande do Sul (LHRS), destinada à propaganda e difusão da Homeopatia. Foi eleita uma diretoria provisória, tendo como presidente o Dr. Sabino Menna Barreto, vice-presidente o Dr. Alfredo Ludwig, primeiro tesoureiro o Sr. Luiz G. Klein, orador o Dr. Souza Lobo e diretor de propaganda o Dr. David Castro, entre outros cargos. Ao confeccionarem e registrarem seus estatutos, inicia-se o trabalho da instituição. Seu diretor de propaganda, Dr. David Castro, apresenta programa radiofônico na Rádio Farroupilha, bem como colabora regularmente com crônicas homeopáticas nos diários locais, patrocinado pela farmácia de Luiz G. Klein & Cia.

A partir da doação de um terreno pela empresa Irmãos Bernardi, inicia-se a construção do primeiro dispensário homeopático no Passo da Areia. Foram três dispensários em Porto Alegre, nº 1 em 1942, nº 2 em 1944 e nº 3 em 1952. Todos foram considerados de utilidade pública, tanto em nível Federal, quanto Estadual e Municipal.

Em 1943 foi inaugurado o primeiro monumento à Homeopatia em praça pública na América do Sul: a herma de Hahnemann do Parque Farroupilha, comemorando o centenário da morte do fundador da Homeopatia, e em 1944, também por iniciativa da LHRS, foi instalado em Porto Alegre o primeiro Congresso Sul-Americano de Homeopatia, presidido pelo Dr. David Castro. O congresso teve a presença de médicos argentinos, uruguaios e do centro do país, com o apoio do governo do Estado.

Em 1952, realizou-se o 4º Congresso Brasileiro de Homeopatia, também sob a presidência do Dr. David Castro. Este congresso, oficializado pelo Governo do Estado, foi realizado em maio para comemorar o centésimo aniversário do Dr. Licínio Cardoso, em continuação ao 3º congresso de São Paulo. Na ocasião, outra herma foi inaugurada no Parque Farroupilha pelo governador do Estado, Gen. Ernesto Dornelles, desta vez em memória ao Dr. Licínio Cardoso. Após o término do Congresso, a LHRS contribuiu para a inauguração de outro monumento, desta vez em Lavras do Sul.

O Dr. David Castro representou a LHRS em diversos congressos brasileiros, nos Estados Unidos e Europa difundindo a Homeopatia gaúcha pelo mundo.

O Boletim de Homeopatia, órgão oficial da LHRS, foi publicado regularmente de 1941 a 1963, totalizando 186 números publicados. Inicialmente chamava-se Revista de Homeopatia, trocando de denominação em 1944 por não inserir anúncios.

Em 1959 a LHRS apresenta moção, aprovada por unanimidade no 7º Congresso Brasileiro de Homeopatia, criando o Dia da Homeopatia no Brasil a ser comemorado sempre no dia 21 de novembro, data da chegada de Benoit Mure no país.

No decorrer de 1961 realiza-se em Porto Alegre o 2º Simpósio Latino-Americano de Homeopatia, organizado pela LHRS e sob a presidência do Dr. Thomas Paschero.

Na década de 70 recomeça o atendimento médico dos dispensários homeopáticos pelo Dr. Arno Caye. Durante muito tempo esta magnífica obra social ressentiu-se da falta de médicos homeopatas que se dispusessem ao trabalho voluntário. O próprio Dr. David Castro tentou diversas estratégias para suprir essa carência. Isto só foi possível quando a LHRS passou a servir de sede para prática de cursos regulares de Homeopatia que se estabeleceram com a regulamentação da Homeopatia como especialidade médica a partir dos anos 1980.

A LHRS continua funcionando em sua sede na Av. Getúlio Vargas nº 169, antigo dispensário homeopático nº 3, prestando atendimento médico e veterinário homeopático após mais de 74 anos de história, marco fundamental da Homeopatia Gaúcha e Brasileira.

Davis Castro

Nascido em Recife (PE), forma-se em Medicina em Salvador (BA) e cursa Homeopatia na Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro (RJ). Por recomendação do dr. José E. Galhardo, seu professor, muda-se para Porto Alegre (RS), onde vive seus anos mais produtivos.

Em 1941, funda a Liga Homeopática do Rio Grande do Sul (LHRS), iniciando uma ampla campanha na imprensa com palestras radiofônicas na Rádio Farroupilha, reproduzidas semanalmente no Diário de Notícias sob o título “Pílulas Homeopáticas. Posteriormente, publica “Gotas Homeopáticas”, na Folha da Tarde, e “Coluna Homeopática”, no Correio do Povo.

Paralelamente, constitui um sólido patrimônio para a homeopatia gaúcha, com a construção de três dispensários homeopáticos, inauguração de monumentos em praças públicas e realização de congressos homeopáticos em Porto Alegre, entre os quais o IV Congresso Brasileiro de Homeopatia (CBH), oficializado pelo Governo do Estado do RS com o lançamento do primeiro selo postal mundial com o tema homeopático – homenagem ao centenário do nascimento de Licínio Cardoso.

Edita o Boletim de Homeopatia, órgão oficial da LHRS, publicado regularmente de 1941 a 1963. Dá continuidade à publicação por meio da Revista Similia, até dois meses antes de sua morte.

Em 1955, transfere residência para o Rio de Janeiro, onde torna-se titular da cadeira de Homeopatia (facultativa) da Escola de Medicina e Cirurgia do Rio de Janeiro e publica crônicas dominicais no Correio da Manhã. Sempre ligado a efemérides e à história como forma de divulgar a Homeopatia, em 1959 apresenta moção da LHRS ao 7º CBH para criação do Dia da Homeopatia no Brasil em 21 de novembro. Participa de diversos congressos internacionais como representante brasileiro, inclusive do Ministério da Saúde, divulgando a homeopatia brasileira pelo mundo “nas asas da Panair”

Em 1961, apesar de residir no Rio de Janeiro, aceita a indicação para a presidência da Associação Paulista de Homeopatia (APH), injetando um novo vigor na instituição.

Estimula a implantação de monumentos à Homeopatia no Rio e em São Paulo, todos atualmente depredados.

Publica diversos livros, entre os quais “Homeopatia – Terapêutica Positiva” (1944), “Homeopatia por dentro e por fora” (1959) e “Homeopatia e Profilaxia” (1978), além da revisão da tradução da sexta edição alemã do “Organon” de Hahnemann, que o Grupo de Estudos Benoit Mure editou em São Paulo.

Funda a Editorial Homeopática Brasileira (1963), legando um importante patrimônio bibliográfico à homeopatia brasileira.

* Ben-Hur Dalla Porta, médico homeopata, vice-presidente da LHRS, em 6/7/2009.